Barra

30/09/2017

Curso beneficiará povos e comunidades tradicionais na Bahia

A Secretaria da Educação do Estado inicia, nesta segunda-feira (2), às 9h, as aulas dos novos cursos técnicos em Agroecologia ofertados pela rede estadual e que irão beneficiar povos e comunidades tradicionais de diferentes regiões da Bahia. Os cursos serão ofertados nos Centros Estaduais e Territoriais de Educação Profissional e anexos dos municípios de Arataca, Prado, Wagner, Medeiros Neto e Ipiaú. Foram disponibilizadas um total de 350 vagas (70 em cada unidade de ensino).

As aulas serão ministradas em regime de alternância, o que significa que os estudantes ficarão 15 dias imersos nas atividades teóricas e práticas do curso e 15 dias nas suas comunidades de origem. Os estudantes terão orientação qualificada de professores e acompanhamento de monitores.

O superintendente da Educação Profissional e Tecnológica do Estado, Durval Libânio Neto, ressalta a importância dos cursos. “Esta é a primeira vez que o Estado oferta, de forma regular, cursos utilizando a metodologia da Pedagogia de Alternância. São cursos de nível médio com um modelo mais adequado à população do meio rural, permitindo que os alunos tenham uma maior integração e vivenciem mais o processo escolar utilizando-se da Educação em tempo integral”, afirmou, ao acrescentar que “todas as atividades e ações desenvolvidas fazem parte dos aspectos pedagógicos como a disciplina, trabalho em conjunto e relação interpessoal. Além disso, estas cinco experiências também incorporam as disciplinas do novo Ensino Médio, a exemplo de Projeto de Vida e Mundo do Trabalho”, explica.

A oferta destes novos cursos técnicos na rede estadual está alinhada às demandas dos Territórios de Identidade da Bahia visando uma formação profissional que vai proporcionar diferentes oportunidades de inserção destes jovens no mundo do trabalho. Em Arataca, o curso funcionará no Centro Estadual de Educação Profissional da Floresta do Cacau e do Chocolate Milton Santos (CEEP); em Prado, as aulas acontecerão no anexo do CETEP do Extremo Sul; em Medeiros Neto, o curso será ofertado em outro anexo do CETEP do Extremo Sul; em Wagner, no CETEP da Chapada Diamantina e, em Ipiaú, no CETEP do Médio Rio das Contas.

Inscrições para o Bahia Rural Contemporânea e para a Febafes vão até 20 de outubro

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), em parceria com a União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes/BA), está recebendo as inscrições, até 20 de outubro, de empreendimentos que desejam participar da segunda edição do Bahia Rural Contemporânea e da VIII Feira Baiana de Agricultura Familiar e Economia Solidária (Febafes). Os eventos serão realizados entre 25 de novembro e 3 de dezembro, no Parque de Exposições Agropecuárias, em Salvador.

A convocação está sendo feita via edital, e poderão participar redes de comercialização, cooperativas ou associações que representam o conjunto de empreendimentos, coletivos ou individuais, da Agricultura Familiar, Reforma Agrária, Crédito Fundiário, Povos e Comunidades Tradicionais e Economia Solidária presentes em cada território do Estado da Bahia.

Elisabete Costa, diretora de Agregação de Valor e Acesso a Mercado da Superintendência de Agricultura Familiar (Suaf/SDR), informou que este ano o evento traz uma inovação, por possibilitar que empreendimentos dos 27 Territórios de Identidade da Bahia tenham mais autonomia para a comercialização dos produtos típicos de sua região.

“Estamos fazendo uma proposta diferente, o espaço será organizado com armazéns da agricultura familiar, ou seja, haverá um para cada território, reunindo de forma organizada e estruturada o maior número de produtos das diferentes cadeias produtivas produzidos pelas cooperativas, associações, grupos informais e agricultores individuais presentes em cada região”, afirmou a diretora.

Costa também disse que durante os nove dias do evento haverá uma programação de formação e capacitação dos participantes, por meio de cursos, palestras, oficinas e seminários, além da Praça Gastronômica, que apresentará “a diversidade da culinária dos territórios, com pratos produzidos a partir dos produtos da agricultura familiar”.

Mais informações sobre o Edital para inscrição estão disponíveis no site da SDR.

Aulas de campo ampliam aprendizagem dos estudantes em Maracás

Ampliar o processo de ensino e aprendizagem dos estudantes é o propósito dos professores do Colégio Estadual Edílson Freire, no município de Maracás (centro sul), ao organizar aulas de campo em diversas localidades da região. A proposta é oportunizar aos educandos uma extensão do que é trabalhado em sala de aula, especialmente, em disciplinas como Geografia, História e Biologia.

O professor de Geografia, Flávio Guimarães, explica que a atividade desenvolve no estudante uma capacidade maior para a assimilação de conteúdos. “Esta é uma oportunidade de o estudante conhecer aspectos práticos das disciplinas. Muitas vezes, eles ouvem na sala de aula e não têm a verdadeira noção do que aprenderam”.

Segundo ainda o docente, “a vivência mostra realidades que conhecem apenas na teoria, seja nos costumes, climas, vegetação, Geografia ou História. Um jovem que mora do Semiárido, onde chove uma vez a cada dois anos, fica impressionado quando visita uma localidade de muita água, mesmo que tenha aprendido na sala de aula. Tem outro significado”.

As atividades seguem roteiros que são diversificados com os estudantes do 1º, 2º e 3º anos do Ensino Médio. Entre as regiões visitadas estão a Serra da Raposa, Serra do Sincorá, cabeceiras dos rios de Contas e Paraguaçu até Lençóis, Caeté-Açu (Vale do Capão), Santa Maria (Planalto de Maracás), além de Maracás e cidades históricas da Chapada Diamantina, centro e oeste da Bahia.

“E tudo é feito pelos professores e pais de alunos, que se mobilizam para proporcionar essas aulas de campo aos estudantes. O importante é mostrar que esta ação é fundamental para eles, pois podem criar uma nova perspectiva sobre o que é aprendido”, ressalta o professor Guimarães.

A estudante do 3º ano, Ana Paula Soares, 17 anos, fala sobre a oportunidade de participar dessas aulas de campo. “A cada atividade desta, a gente volta com uma grande carga de conhecimento, fixando os assuntos das disciplinas de forma mais fácil e esclarecedora. Além, é claro, de podemos conhecer outros lugares nos familiarizando com os costumes e a história do local”.

A colega Kelly Novaes, 18, também acredita que as aulas de campo dinamizam o processo de ensino e aprendizagem. “Se ficamos presos apenas à sala de aula, acabamos com uma visão limitada da realidade e esses passeios têm nos proporcionado uma vivência única, seja com o conhecimento ou na própria interação com os outros colegas e professores”.

Estudantes de Morro do Chapéu realizam gincana e exposições de produtos típicos da região

Os alunos dos cursos técnicos do Centro Territorial de Educação Profissional da Chapada Diamantina II (Cetep), localizado em Morro do Chapéu, no centro norte baiano, também aderiram ao movimento #TransformaÊ. Na unidade, a ‘Virada Educacional Bahia aconteceu na quinta-feira (28), com diversas atividades realizadas durante 12 horas consecutivas. A programação do evento aberto ao público contou com gincana, apresentações culturais, pintura do muro externo da unidade, exposições de projetos, estandes de instituições parceiras e a feirinha do Cetep, com direito a degustação e comercialização de produtos oriundos da agricultura familiar.

Para a diretora do Cetep, Milena Paula de Moura, o evento foi essencial para promover a integração dos estudantes com a comunidade. “Eles realmente se inspiraram no tema ‘Tomando partido pela escola’, pois se envolveram muito nas atividades e mostraram que a escola é muito importante para a vida deles. As tarefas da gincana foram focadas na ação social através da arrecadação de alimentos e de fraudas que serão doados para famílias carentes da cidade”.

O estudante Josevaldo de Araújo Júnior, 19, que faz o curso técnico em Agroecologia, aproveitou a feira instalada no evento para expor e comercializar os produtos produzidos por ele e seus pais, que são agricultores familiares. “Gostei muito desta oportunidade porque as pessoas podem provar os nossos produtos e conhecer o trabalho desenvolvido. No estande, foram expostas hortaliças, leguminosas e outros produtos como aipim, batata doce e andu”. O jovem produtor alia o conhecimento técnico à tradição local.

Amédia Ispael Gonçalves, 38, do curso técnico em Alimentos, disse que o evento serviu para a troca de experiências com a comunidade. “Nos nossos dois estandes temáticos, explicamos como é realizado o trabalho de um técnico em Alimentos dentro da Vigilância Sanitária. Além disso, fizemos uma exposição de experimentos culinários com produtos fabricados com alimentos produzidos na nossa região, a exemplo de licuri, mandacaru, chuchu, polvilho e outros”. Ela expôs seu bolo de licuri com rapadura, que considera “muito saboroso”.



Fonte: Ascom Educação/Ascom SDR/Municipios Baianos
  • Comente aqui
  • Comente com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Avaliado: Curso beneficiará povos e comunidades tradicionais na Bahia Classificação: 5 Revisados por: Locutor Faustino